Quem sou eu

Minha foto

Sou viciado em computação, Internet e Fotografia. Morei por quase 6 anos, e ainda frequento, Paraty. Sou usuário de softwares Open Source, tendo dado algumas contribuições em diversas ocasiões.

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Fui vítima de ameaças

Neste momento eu informo que no dia 16 de Fevereiro de 2015, às 12:48 (UTC-2, horário de verão) fui vítima de ameaças por um perfil apócrifo do Facebook. Um corte da captura de tela com da mensagem na íntegra está abaixo.


Ele entrou em contato comigo pelo recurso de mensagens do Facebook para me dizer isto.

Quase todos os meus amigos, e boa parte das pessoas que me conhecem, sabem que sou ateu, que não acredito em deuses ou divindades. Eu falo isto da mesma forma que muita gente expressa a sua religião, especialmente alguns e os membros de algumas religiões. Isto choca muita gente, pois para muitos isto não faz sentido. E um motivo porque eu gosto de contar isto é para fazer as pessoas pensarem que tem formas muito diferentes de ver o mundo, que elas tem que ver que existe diversidade de formas de pensar e encarar o mundo, e incentivar a outros ateus a saberem que não são os únicos.

Em alguns países seu seria condenado à morte por heresia. Em outros eu poderia receber a seguinte resposta: "E daí? Eu e quase todos que conheço são.".

Sobre páginas e escritores anônimos

Escrever anonimamente pode ser, e em muitas situações é, a forma mais segura de manifestar opiniões. Alguns ativistas realmente correm risco de vida, de tortura, prisão etc, quando manifestam suas opiniões. Existem lugares onde expressar uma opinião diferente da oficial é muito arriscado. Um dos exemplos mais atuais é do blogueiro Raif Badawi, condenado a 10 anos de prisão e 1000 chibatadas na Arábia Saudita só por ter uma visão diferente do islamismo e criticar líderes de seu país.

Outro exemplo importante é o de Malala Yousafzai. Ela fazia campanha em seu blog pela educação infantil, especialmente das meninas, usando um pseudônimo. O Taliban proíbe a educação, em especial das meninas. Algum tempo depois ela assumiu a autoria do blog, e em 09/10/2012 ela sofreu um atentado que quase lhe custou a vida.

Em outros tempos, durante boa parte da ditadura militar no Brasil, expressar publicamente opiniões poderia ser arriscado, mas esta não é a situação atual. Não existem casos de pessoas desaparecerem, serem presas, torturadas etc, por aqui por expressarem uma opinião diferente da corrente. Pelo menos nem sequer perto da forma comum que já existiu. A repressão de ideias diferentes era parte da política de estado. (E tem gente que quer que isto volte.)

Como no Brasil existe liberdade de expressão, não existe esta necessidade de anonimato para expressar suas opiniões, desde que sejam no limite do razoável, que sejam coisas embasadas, que tenham sentido etc. Mas mesmo assim, nos últimos 3 ou 4 anos, surgiu uma avalanche de páginas e perfis em redes sociais, em especial no Facebook, apócrifas, anônimas etc.

Elas usam o anonimato por vários motivos. Um para parecer que é realmente importante, que tem realmente algo importante para falar, algo subversivo, que se assumir a autoria passará a correr risco etc. Assim dar a ilusão que o que diz é importante. Outras para esconderem o que realmente querem, os verdadeiros motivos por trás do que falam. Boa parte disto tratei no meu texto A Vanguarda de Idiotas.

Outros usam o anonimato para serem irresponsáveis no que falam, para falarem e exporem o seu ódio e preconceitos, e não serem questionadas e nem forçadas a se retratarem. Quase todas estas páginas estão recheadas de material inútil, de ódio cego, de obscurantismo, de repetição de mensagens de ódio feitas por outros, repetição de chavões, meias verdades, mentiras, preconceitos, recalques etc. Elas não trazem realmente nada de importante e útil para a humanidade, não trazem novidades, não avançam a compreensão das pessoas. E o mais curioso é que, exatamente como um sintoma da Vanguarda de Idiotas, eles se acham politizados e bem informados.

E o perfil Por Paraty?

Eu vi praticamente tudo que eu pude, do ponto de "não amigo", do perfil que me ameaçava, e se enquadrava perfeitamente no que falei no parágrafo anterior. Vocês também podem verificar o perfil dele. Quase nada realmente de útil ou engrandecedor. Algumas queixas que me fazem sentido, como a da sexualização precoce das crianças. Tem um texto reclamando do sistema médico de Paraty, mas cheio de ódio, e sem nenhuma ação concreta.

Tem uma coisa que pode ser muito engraçada. Ele fala "Estou postando, mas nínguem mete a cara para apoiar o que é verdade...". Ué? Nem ele está colocando a dele, pois usa um perfil anônimo, por que os outros vão colocar?

Reclamações do prefeito anterior, e também do prefeito atual. É um ser que só reclama, só odeia. Parece que ama odiar e ser infeliz. Um eterno inconformado e infeliz. Nada está bom, não tem nada para ser elogiado etc.

Ele também fala "Parem de ter medo da máfia desta cidade que dura décadas... Vamos por um fim nisto... Votando em um candidato diferente, cara nova, mentalidade nova e progressista, que queira a cidade crescendo para todos e não para alguns da elite e empresários da cidade e famílias tradicionais da cidade. Os tempos são outros!". Sim, a população votou em um candidato diferente naquela eleição. Elegeu o PT. E novamente ele fala para pararem de ter medo, mas ele mesmo usa um perfil anônimo como se tivesse.


Ele falou antes "População desta cidade tem medo de criticar e denunciar má administração e o cuido da cidade.". Mas, mais uma vez, ele mesmo não mostra quem é, se escondendo atrás de um perfil anônimo, apócrifo.

Parte das mensagens indica pretensões de ser algum tipo de líder político ou social, um formador de opiniões. Mas mostra frustração com o fracasso em sua missão, com o fato de ninguém seguir ele, ninguém se juntar à causa dele. Muitos tem este tipo de pretensão, e eu mesmo já escrevi neste tom, mas, creio eu, escrevo na maior parte do tempo sem estas pretensões. Ele tentou seguir uma "receita" de como se tornar lider, mas fracassou.

Parece ser alguém de ego inflado, se achando mais importante do que realmente é.

Um outro detalhe curioso é que o Facebook fala em "She" quando ser referia a esta pessoa, como se ela tivesse se cadastrado como mulher, mas a ameaça, e a forma de escrever encontrada por todo o perfil é bem masculina.

Sim, tem uma dose de especulação no que escrevi, mas é baseado no que me eu pude entender.

O que motivou as ameaças?

Acho que foram as minhas posições contestatórias de várias coisas, em especial a uma placa colocada na entrada da cidade dizendo “JESUS É O SENHOR DE PARATY”. Primeiro, acho esta frase muito pretensiosa. A cidade é das pessoas, principalmente as que moram nela, independente da religião (ou não-religião) praticada por elas. Dizer que um messias de uma religião (ou de um conjunto de religiões) é o senhor de um lugar, para mim, parece menosprezar todas as outras religiões e crenças praticadas por outros moradores deste lugar.

Outro ponto de vista que deixei claro é que, pelo princípio de direitos iguais, as outras religiões, inclusive os ateus, poderiam requerer placas equivalentes na entrada da cidade. E eu já conheci pessoas de, pelo menos, 4 religiões bem definidas na cidade (Católicos, Testemunhas de Jeová, Hare Krishna e Umbandistas), fora alguns ateus, muitos que seriam classificados somente como teístas (Acreditam em deus, mas não praticam nenhuma religião em especial.), e pessoas que misturam várias crenças.

Algumas pessoas se sentem incomodadas com opiniões contrárias, e mais incomodadas ainda quando o outro pode ter razão, quando a sua crença é posta em risco (Falar isto pode até ser pretensão minha.). E isto pode ter acontecido. Eu tenho a tendência de ser o cético, de ver o lado que outros não veem, de confrontar ideias. Eu acho que o questionamento é mais importante do que certeza, pois acredito que o que move a humanidade são as perguntas, e não as respostas.

Sobre código moral e de ética

De onde ele tira a ideia que um ateu pode fazer tudo? Um ateu também pode ser regido por um código de moral, ética e respeito às leis. Quase todos o são. Este código de moral e ética é diferente em alguns pontos
do código de moral e ética de muitos religiosos, pois não existe o pecado, não existe a punição divina etc. Ele é baseado em respeito às pessoas e à sociedade, e não costuma ter nenhuma clausula que permita atrocidades em nome de uma causa.

É um grave e comum engano achar que um código moral, de ética e de conduta pessoal, não pode existir sem uma religião ou crença em um ser superior.

Este código moral varia muito entre religiões, entre grupos de pessoas dentro de religiões, e entre indivíduos até mesmo dentro de um grupo de uma religião (ou não religião). Tem religiões que tem fortes restrições às sexualidade, que pregam sexo só depois do casamento, tem outras que pregam a sexualidade livre. Tem religiões que são contra o consumo de carne bovina, tem outras que não ligam para isto. Tem religiões e grupos religiosos que são contra a morte de pessoas, tem outras que pregam a morte de infiéis e seguidores de outras religiões. Tem  religiões que são contra homossexuais, tem outras que não se importam com eles (É comum os evangélicos serem contra os homossexuais, mas existe uma igreja evangélica LGBT.). Tem religiões que exigem rezas várias vezes por dia, tem outras que basicamente só exigem uma cerimônia semanal, e outras nem isto.

Aliás, mesmo que o código de ética seguido por uma pessoa permita algo, não quer dizer que ela o faça, que ela goste de fazer etc. Um exemplo é bebida alcoólica, que não bebo por que faz mal, e nem vejo graça em beber (Já provei cerveja e não achei graça.), mas conheço ateus que bebem.

Sobre a ameaça

Nas entrelinhas posso suspeitar que ele é religioso, que não é ateu, pois tratou ateus como outro, de outro grupo, e não um igual à ele. Parte da ofensa dele é de cunho sexual, o que é típico de um homem, especialmente este tipo de ofensa. Então realmente ele registrou falsamente o sexo na criação do perfil.

[Removi um parágrafo aqui. Apesar de ter parte dele estar correta, outra parte tem uma dose de suspeita. Então vou decidir mais calmamente depois o que eu faço quanto a isto.]

Questiono: A religião de quem me ameaçou permite atacar infiéis, "resolver as coisas na porrada"? A religião dele não prega a tolerância? Ou ela prega a prepotência, a arrogância etc?

Ele parece realmente ficar incomodado com quem pensa diferente, quem não segue "a verdade" dele. Ele parece ter ficado sem argumento, parece que os fatos e os meus argumentos atacam a crença dele, a "superioridade religiosa" dele, então, ao invés de mudar os seus conceitos e suas crenças, ou fortalecê-los baseado em argumentos e estudos, ele prefere usar a violência, as ameaças para se impor, para impor a "sua verdade". A existência de um ateu ameaça tanto assim a ele? A existência de alguém de mente indagadora, contestadora, o torna tão inseguro, o faz sentir tanto medo, que ele apela para a ameaça, para a violência, para me calar?

É assim que alguém que posa no perfil como um pretendente a guia político e social, querendo combater a corrupção e os problemas da cidade, se comporta? Ele não merece nem o pouco da atenção que chegou a ter. O que ele faria no comando da cidade, ou de uma sociedade ou de um grupo social? Ameaçaria as pessoas que pensassem diferente, que expusessem ideias contrárias às dele? Então ele criou um perfil anônimo para falar de política por que espelha ele mesmo nos outros, esperando que outros agiriam contra ele da forma que ele agiria contra os outros?

São mentes assim que criam coisas como o Estado Islâmico, o Boko Haram, o Taliban etc, que pregam o obscurantismo, que usam a violência contra quem pensa diferente, seguidores de outras religiões, outros grupos étnicos etc. Mentes assim tem que ser combatidas, não podem ganhar asas, pois são perigosas.

Como o meu código de moral diz que não devo ficar falando palavrões e nem ofender as pessoas (Parece que isto não faz parte do dele.), eu não vou dizer o que eu acho que define perfeitamente ele.

2 comentários:

  1. Oque ele tem haver se vc é ateu idaí se vc é ateu é vc não ele vc não ta tentando fazer ele virar ateu oque esse cara quer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Honestamente, acho que não tem a ver com o fato de ser ateu. Algumas pessoas simplesmente querem odiar. Talvez subconscientemente seja mais fácil pra esse sujeito odiar alguém pela escolha do alheio, mas na verdade ele só quer uma válvula de escape para agredir.

      Mais ou menos como nesse vídeo:
      https://www.youtube.com/watch?v=XdXUZLMBfy0

      Excluir