Quem sou eu

Minha foto

Sou viciado em computação, Internet e Fotografia. Morei por quase 6 anos, e ainda frequento, Paraty. Sou usuário de softwares Open Source, tendo dado algumas contribuições em diversas ocasiões.

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

A utilidade do Diabo


(Fanáticos religiosos me chamando de satanista em 3, 2, 1...) É muito interessante a utilidade que algumas religiões dão para o Diabo, para o Satanás. Ele se torna um inimigo para todos temerem, odiarem, o que cria uma cortina de fumaça, algo útil para as pessoas prestarem atenção e não prestarem atenção em absurdos e contradições da religião. Em alguns casos podem dizer que achar erros e contradições na religião é uma tentação do Diabo.

Ainda podem dizer que as outras fontes de informação, como livros de história, que contradizem a bíblia são obras do Diabo. (Sim, vi este argumento sendo usado, e foi recentemente.) Se é obra do diabo, não devem ser lidos, então ninguém tem subsídios para duvidar da bíblia, e ela se torna a única fonte de informação.

E ainda, se alguém ler, e ficar a semente da dúvida (A dúvida é a fonte, é o que move a Ciência.), este passou a ser possuído pelo Diabo.

As coisas erradas são feitas pelo Diabo.

Quem quer aprender de tudo está sendo tentado pelo Diabo. As outras religiões são coisas do Diabo, e assim as pessoas são proibidas de estudar outras religiões, acabando com a chance da pessoa mudar de religião, ou até mesmo desenvolver um senso crítico sobre a sua própria religião. O Diabo se torna um mecanismo de fidelidade que não pode ser duvidado, senão está tentado pelo Diabo.

O Diabo leva toda a fama.

Aliás, quem é o grande genocida confesso da bíblia? Dica: Já destruiu cidades, já inundou o planeta etc. E fez um trabalho tão bem feito que ninguém acha provas disto. Não, não é o Diabo.

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Em defesa da Linha 1A do Metrô Rio

Eu vejo muitas críticas, e algumas parecem até raivosas, quanto a Linha 1A do Metrô Rio. Uma delas está aqui. A página do Facebook Metrô que o Rio precisa é um dos grandes críticos.

Tenho a impressão que muitos destes críticos nunca usaram a Linha 2, pelo menos rotineiramente. Eles não viram o estado da Estação Estácio nos horários de rush. A Estação Estácio ficava MUITO pior que a Estação Central fica atualmente. Era um risco de desastre, era um desastre de grandes proporções prestes a acontecer. Bastava um idiota começar a gritar "fogo", e talvez soltar fogos de artifício para termos uma situação de pânico generalizado, e uns 50 a 200 mortos, e uns 200 a 500 feridos. (Pena que perdi a foto que fiz anos atrás mostrando como ficava cheia a Estação Estácio às 18:00.)

A Linha 1A permitiu espalhar todo este pessoal por diversas estações, e nenhuma chega a ficar no estado que a Estação Estácio ficava. Faltaram trens, mas isto foi melhorado com a aquisição dos trens chineses, de maior capacidade, que atualmente rodam exclusivamente, ou quase, na Linha 1A.

A Linha 1A ainda permitiu a diminuição dos tempos de viagem, ao retirar a baldeação da Estação Estácio. Mesmo com a baixa velocidade e com a espera que normalmente acontece no ponto de integração das linhas, se poupa tempo.

Mas mesmo a Linha 1A atualmente está esgotada. A Linha 1 sobra lugar, como já li. A Tijuca não lota a Linha 1 em direção ao Centro (Deve aumentar a quantidade de passageiros com a inauguração da estação Uruguai, mas não sei se chegará a lotar.). A Linha 1 e a Linha 1A parecem ficar vazias em direção da Zona Sul depois da Estação Carioca. Por isto escrevi uma Carta aberta ao Metrô Rio sugerindo a construção da Linha 2 original até, pelo menos, a Estação Carioca, com capacidade de 8 vagões por plataforma, sem a abolição da Linha 1A, o que mais que dobraria a capacidade atual da Linha 2/Linha 1A, diminuiria a ociosidade de Linha 1, aliviaria a Estação Central etc. Para maiores informações, leia a Carta aberta ao Metrô Rio.

Sou contra, ao contrário de muitos que vejo criticando o Metrô Rio, acabar com a Linha 1A. Acho que ela tem que funcionar junto com a Linha 2 original, fazendo alternância, tal como é feito atualmente entre a Linha 1 e a Linha 1A. Isto praticamente dobraria a capacidade atual do Metrô Rio.

Quanto a Linha 4, eu defendo que vá até a Terminal Alvorada. Não tenho uma opinião concreta se ela deveria integrar com a Linha 1, ou chegar até a Carioca. Eu pensaria em um projeto que não descartasse as duas hipóteses, fazendo uma rota diferente depois de cruzar com a Linha 1.

Também acho que a Linha 1 deva se tornar um anel fechado.

Acho que deveria ter sido construído um metrô no lugar da Linha Amarela, ou junto dela. Talvez dê fazer uma gambiarra, inserindo os trilhos da linha de metrô retirando duas pistas de carros. Este metrô deveria ir até a Alvorada, começando na Ilha do Fundão ou na Ilha do Governador, o que seria melhor ainda. A praça do pedágio, com a sua media móvel, seria um baita problema. Talvez fosse necessário fazer uma ponte para passar por cima dela, ou um túnel, para passar por baixo dela.

Acabei extrapolando aqui, falando mais do que a Linha 1A, mas foi bom dar a minha opinião.

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Ban The Bulb

Existe em alguns países uma campanha pelo banimento da lâmpada Incandescente. Sou favorável, mas com limitações.


sábado, 7 de dezembro de 2013

Alguns outros guerreiros pela igualdade de direitos e a Tenente Uhura

O mundo teve muitos guerreiros pela igualdade de direitos, e um deles, um dos mais importantes, acabou de falecer (Leia Obrigado Mandela. Valeu.).

Existem alguns que marcaram o mundo, mesmo que não tenham vivido tanto. Um dos mais importantes foi Martin Luther King Jr, Mas a lista ainda é bem maior...

Obrigado Mandela. Valeu.

Eu me lembro desda a adolescência da prisão de Nelson Mandela, do Apartheid etc. Me lembro do professor de geografia, se não me engano, falar do Apartheid, que fazia os negros serem cidadãos de segunda classe sem nenhum direito. Me lembro das filmagens mostrando a polícia atirando nos negros na África do Sul. Me lembro do mundo todo protestando, e realizando embargos contra a África do Sul.

Era um país realmente fraturado, com o sistema de governo mais desumano desde o Nazismo.

Mandela conseguiu o que pareceria impossível. Paz em um país que poderia ter um genocídio a qualquer momento. Ele uniu, reconciliou, o que parecia irreconciliável. Ele foi um líder carismático e amado, e não abusou disto como outros que foram carismáticos fizeram. Ele tinha uma missão, e a cumpriu na prisão e fora dela, na presidência e depois dela, e talvez a cumpra até mesmo após a sua morte.

A África do Sul ainda tem muitos problemas, e deve demorar umas duas ou três gerações para serem resolvidos, pois foram gerações de crimes contra a humanidade acontecendo lá. Os maiores passos, os mais difíceis, os mais necessários, para que tudo se resolva, ele conseguiu: A Reconciliação.

Obrigado Mandela. Valeu.

PS: Sem apelar para religiões, e sim, para a humanidade das pessoas.

sábado, 30 de novembro de 2013

O Acidente do Itaquerão

Um dos assuntos da semana foi o acidente na obra do estádio Itaquerão, no qual duas pessoas morreram. Isto pode ser visto aqui. Ainda tem muita informação desencontrada, noticiada de modo confuso, mas aparentemente os dois mortos são pessoas que não faziam parte da operação de içamento.

Acho que em uma operação grande, que tem riscos, especialmente riscos de grandes estragos quando acontece o acidente, tem que ter somente o pessoal envolvido por perto. Nas noticias que vi, tive a impressão que os dois mortos não precisavam estar onde estavam (Em uma das versões o motorista do caminhão estava descansando na cabine do caminhão.), então, ao meu ver, houve uma falha de segurança.

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Por que houve a abolição da escravatura no Brasil?

Em meados do século 19 existiam muitos movimentos abolicionistas, que foram se intensificando até o final do século. Eles foram conseguindo a extinção da escravatura por etapas (Lei do Ventre Livre, Lei do Sexagenário etc), até a Lei Áurea, que terminou com a escravatura no Brasil. Mas por que surgiu a escravidão no Brasil? E por que ela terminou?

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

O "debate" das Zatz no G1 - Instituto Royal

O G1 fez um artigo com um "debate" entre as Zatz, a cientista Mayana Zatz e a atriz Marina Zatz, conhecida como Luisa Mell, mas o site tentou equilibrar o que não é possível equilibrar. Este "debate" pode ser visto aqui.

Se fosse um debate de verdade a cientista Mayana Zatz teria passado rolo compressor na atriz Luisa Mell. Não considero a Luisa Mell advogada, pois, pelas suas atitudes e declarações, ela rasgou o seu diploma de direito. Ela parece não ter aprendido nada na faculdade de direito.

Se querem ver realmente uma refutação dos argumentos da Luisa Mell, assistam o vídeo abaixo, ou por este link. Ele chega a pegar pesado, a ser ofensivo, é muito sarcástico, mas os argumentos dele são certos. Aqui também dá para ver que a Luisa Mell rasgou o diploma de advogado.



E este link também tem uma opinião muito boa.

domingo, 17 de novembro de 2013

Como fazer concessionárias obedecerem contratos

Eu tive uma ideia curiosa. Existem muitos casos em que empresas recebem concessões públicas para operar, como empresas de telefonia, eletricidade, transportes etc, e em algumas vezes isto aconteceu por meio de privatizações.

Muitas empresas acabam não cumprindo os contratos, e os prazos dos contratos, e faltam mecanismos para forçá-las a cumprirem. Eu tive uma ideia de como fazê-las cumprirem estes contratos.

sábado, 16 de novembro de 2013

Desculpa X Motivo - 1 - self-righteousness

O que é uma Desculpa para fazer, deixar de fazer, ou deixar que façam algo? O que é o Motivo para fazer, deixar de fazer, ou deixar que façam algo? Desculpa e Motivo são duas coisas que por vezes são confundidas.

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Destruição da reitoria da USP

O UOL mostrou hoje (12/11/2013), o estado de parte do prédio da Reitoria da USP. As fotos podem ser vistas aqui. Algumas salas foram preservadas, e outras destruídas.

De onde será que eles acham que sairá o dinheiro para consertar este estrago? Sairá da verba de manutenção, compra de equipamentos etc. Isto significa que outras partes do campus pode sofrer com falta de manutenção, atrasos em manutenções, obras, melhorias. Atraso em trocas e aumentos de computadores etc.

Eles não pensam que todos perdem com o prejuízo? Até os alunos que eram contra a invasão perdem. Os funcionários e professores também perdem.

Mesmo que a USP entre com processo contra os invasores para que eles paguem os prejuízos, de onde vai sair o dinheiro para consertar agora? De qualquer forma, mesmo que os invasores paguem os prejuízos por força da justiça, vai demorar para a USP ser restituída.

E agora deram a desculpa para a reitoria expulsar todos os alunos que participaram da invasão, que ocuparam a reitoria. E a USP pode falar "São estes malucos que querem votar para reitor?", tal como estou falando agora. Além de ocupar, deram um grande prejuízo a todos.

Mais um bando de irracionais achando que podem fazer qualquer coisa por que se acham certos. Mesmo que estejam com a razão, isto não dá direito de fazer muitas coisas. Ter razão, além de poder ser relativo em muitos casos, não dá o direito de fazer o que bem entende.

sábado, 9 de novembro de 2013

Carta aberta ao Metrô Rio

Introdução

Sou usuário do Metrô Rio quase todos os dias da semana. Considero que é único meio de transporte confiável na cidade do Rio de Janeiro.

Trabalho no Centro do Rio de Janeiro e moro perto da Av. Brasil e da estrada de ferro. Eu poderia usar o trem para chegar na Estação Central do Brasil e de lá pegar um ônibus ou o metrô, mas os trens apresentam muitas falhas, e elas costumam criar um efeito em cascata. Parece que não tem planos de emergência. E pegar ônibus na Central para o Castelo significa pegar uma parte do engarrafamento do Centro do Rio de Janeiro.

Outra possibilidade é pagar um ônibus que segue pela Av. Brasil e depois pela Av. Presidente Vargas, e alguns ainda seguem pela Av. Rio Branco. Se um ônibus dá defeito, é só trocar para outro ônibus. Mas esta confiabilidade é falsa. A Av. Brasil quase sempre está superlotada, e ainda muitos não respeitam a faixa seletiva, piorando o transito para os ônibus. Qualquer problema, por menor que seja, gera grandes engarrafamentos, pois a via está acima do seu  limite. A Av. Presidente Vargas é outro problema, tal como a Av, Rio Branco. Pode-se perder uma hora ou mais entre a Rodoviária Novo Rio e o Castelo. Sei que melhorou com a separação de faixas exclusivas para ônibus e a reversível, mas ainda não está bom.

Acredito que muitas outras linhas de ônibus na cidade que vem da Zona Norte e Baixada também tenham problemas, pois elas desembocam na Av. Presidente Vargas.

Linha 2 no horário de rush da manhã.
O Metrô não sofre com os engarrafamentos no Centro do Rio de Janeiro. De vez em quando ele "engarrafa" por volta da Central do Brasil, aguardando liberação de plataformas, mas é bem menos do que o tempo que se perde no trânsito. Ainda tem falhas ocasionais, mas estas são curtas, exceto alguns raros casos.

Assim o Metrô Rio é de longe o meio de transporte mais confiável e rápido da cidade, especialmente vindo da Zona Norte ou da Baixada Fluminense e indo para o Centro do Rio ou para a Zona Sul. Muita gente pega ônibus, van etc, para chegar a uma estação do Metrô, mesmo que tenha uma linha direta de casa para o Centro do Rio de Janeiro. Isto superlota a linha 2.

Note, aqui não estou considerando a Tijuca como Zona Norte.

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Direito, Poder e Dever - 1

Estas são 3 coisas que são interligadas, mas muito mal entendidas. Muitas pessoas as confundem. Alguns acham que ter Poder lhe concede Direito, mas o Poder e o Direito são coisas distintas.

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

O resgate dos beagles

Estou estarrecido com a atitude, o fanatismo e a irresponsabilidade destes "amigos dos animais". Eles invadem um laboratório para salvar os cachorros bonitinhos, mas nem pensaram exatamente no que estavam fazendo e as consequências, que poderiam ser desastrosas para eles, para os animais, e para a população em geral.

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Um Cidadão Semiconsciente

Por este este blog? Por que este nome?

Eu tenho outros dois blogs, fora os que contribuo, então por que criar mais um blog? Um dos meus blogs, que está parado, é basicamente de computação, o Mikronomicon, e o outro é basicamente de fotografia, o JGoffredo, apesar de colocar nele algumas opiniões de vez em quando. Mas eu tenho muitas opiniões que não cabem neles, e algumas são um tanto fortes e provocativas. Então criei este blog separado só para elas.

Faz alguns anos que eu quero criar este blog, e teria caído bem no meio deste ano, no auge das passeatas (Sim, fotografei algumas delas, estive em algumas delas, mas não sou Black Bloc.).

Inicialmente a ideia era fazer um blog sobre consumidor, produtos e consumo, e se chamaria Um Consumidor Semiconsciente. Mas notei que isto seria restritivo, e tem muitas coisas que afetam as pessoas, os cidadãos,  em modo geral que gostaria de falar, além do que, um cidadão também é um consumidor.

E por que Semiconsciente? Por que a consciência absoluta não existe. Você pode ser consciente, mas sempre até um certo nível, e não é possível ser consciente de forma absoluta, ter consciência de tudo. Alguns atribuem a uma entidade a onisciência, mas acho que é um mito. Como também acredito que exista a verdade absoluta, mas ninguém seja capaz de conhecê-la, pois é grande e complexa demais para se entender toda, por que sempre se olha o mundo segundo as suas crenças, as suas experiências prévias, os seus conhecimentos prévios, filtrando, deturpando, alterando, interpretando etc, o que se vê. Sempre será algo relativo, algo parcial, algo "semi".

O conteúdo do blog expressa a minha opinião no momento que escrevo, portanto, as opiniões podem mudar. Elas também podem ofender, perturbar muitos, mas não pretendo escrever nada como ofensa pessoal. Saibam que é o meu direito pessoal de expressar as minhas opiniões, a minha liberdade de expressão.

Podem usar os comentários para se expressarem, para debater, refutar etc, mas se ofenderem, se não usarem argumentos sólidos, que façam sentido, poderei ignorar ou até responder de forma sarcástica, sem me preocupar se estou ofendendo. Também escrevam de forma correta, em um bom português, com a pontuação correta (Nada de emendar um bando de parágrafos em um só sem qualquer pontuação.), pois irei ignorar o que escreveu.