Quem sou eu

Minha foto

Sou viciado em computação, Internet e Fotografia. Morei por quase 6 anos, e ainda frequento, Paraty. Sou usuário de softwares Open Source, tendo dado algumas contribuições em diversas ocasiões.

sábado, 9 de novembro de 2013

Carta aberta ao Metrô Rio

Introdução

Sou usuário do Metrô Rio quase todos os dias da semana. Considero que é único meio de transporte confiável na cidade do Rio de Janeiro.

Trabalho no Centro do Rio de Janeiro e moro perto da Av. Brasil e da estrada de ferro. Eu poderia usar o trem para chegar na Estação Central do Brasil e de lá pegar um ônibus ou o metrô, mas os trens apresentam muitas falhas, e elas costumam criar um efeito em cascata. Parece que não tem planos de emergência. E pegar ônibus na Central para o Castelo significa pegar uma parte do engarrafamento do Centro do Rio de Janeiro.

Outra possibilidade é pagar um ônibus que segue pela Av. Brasil e depois pela Av. Presidente Vargas, e alguns ainda seguem pela Av. Rio Branco. Se um ônibus dá defeito, é só trocar para outro ônibus. Mas esta confiabilidade é falsa. A Av. Brasil quase sempre está superlotada, e ainda muitos não respeitam a faixa seletiva, piorando o transito para os ônibus. Qualquer problema, por menor que seja, gera grandes engarrafamentos, pois a via está acima do seu  limite. A Av. Presidente Vargas é outro problema, tal como a Av, Rio Branco. Pode-se perder uma hora ou mais entre a Rodoviária Novo Rio e o Castelo. Sei que melhorou com a separação de faixas exclusivas para ônibus e a reversível, mas ainda não está bom.

Acredito que muitas outras linhas de ônibus na cidade que vem da Zona Norte e Baixada também tenham problemas, pois elas desembocam na Av. Presidente Vargas.

Linha 2 no horário de rush da manhã.
O Metrô não sofre com os engarrafamentos no Centro do Rio de Janeiro. De vez em quando ele "engarrafa" por volta da Central do Brasil, aguardando liberação de plataformas, mas é bem menos do que o tempo que se perde no trânsito. Ainda tem falhas ocasionais, mas estas são curtas, exceto alguns raros casos.

Assim o Metrô Rio é de longe o meio de transporte mais confiável e rápido da cidade, especialmente vindo da Zona Norte ou da Baixada Fluminense e indo para o Centro do Rio ou para a Zona Sul. Muita gente pega ônibus, van etc, para chegar a uma estação do Metrô, mesmo que tenha uma linha direta de casa para o Centro do Rio de Janeiro. Isto superlota a linha 2.

Note, aqui não estou considerando a Tijuca como Zona Norte.

Linha 2

A Linha 2 foi por muito tempo ignorada pelas autoridades, meio considerada como algo não importante. Mas acho que ela é a linha mais importante do Metrô. Acredito que, já a algum tempo, ela representa a grande maioria de passageiros. Ela atende uma área muito populosa, mesmo que não pareça ser mais densamente povoada quanto a Tijuca e a Zona Sul, ela é muito extensa. A área de influência dela chega até a Baixada Fluminense. Ela atende principalmente quem enfrenta a Av. Brasil,  Av. Presidente Vargas e a Av. Francisco Bicalho, quando se utiliza de ônibus.

Sim, o foco principal deste texto é a Linha 2.

A Linha 2 estava absurdamente superlotada, e isto foi reconhecido pelo Metrô Rio, tanto é que fizeram a integração com a Linha 1, para que as composições da Linha 2 circulem pela Linha 1, sem a transferência na Estação Estácio. Esta ligação foi batizada de Linha 1A. Isto resolveu o problema da Estação Estácio, que não suportava mais passageiros e representava um grande risco, economizou tempo de transporte e aumentou o conforto. Isto aparece no vídeo nesta  página.

Assim não se construiu o trecho da Linha 2 que liga a Estação Estácio à Estação Carioca.

A Linha 1A, e mais a compra de novos trens, de maior capacidade, aumentou consideravelmente a capacidade de passageiros da Linha 2. Mesmo assim, a Linha 2 opera no limite no horário de rush. Deve existir ainda uma demanda reprimida de passageiros.

Lotação na Linha 1

Nota, esta é uma impressão subjetiva, vinda da minha experiência, mas acredito que seja real.

A Linha 1 recebe muito menos passageiros do que a Linha 2, pelo que percebi. Por um lado isto é bom, pois permite esvaziar a Estação Central, que recebe os passageiros vindos do trem e de algumas linhas de ônibus. Por outro, isto pode implicar em uma subutilização, uma capacidade ociosa.

Segundo matérias que li, existe uma capacidade ociosa de 8 mil passageiros por hora no horário de  rush.

Lotação na Linha 2

A Linha 2 opera, nos horários de rush, com uma grande superlotação. Se fosse possível colocar mais trens seria de grande ajuda. Mas como intercalar mais trens da Linha 2 com os da Linha 1? No trecho em comum ficar com dois vindos da Linha 2 e um da Linha 1?

Estação Central

Esta estação se tornou problemática. Os passageiros da Linha 2 que se dirigem para a Tijuca saltam nela para fazer a baldeação. Os que vem do trem para pegar  para a Zona Sul, para outro trecho do Centro ou para Tijuca também pegam o metrô nela. Os que vem da Tijuca para pegar a Linha 2 disputam a entrada e saída na mesma porta com as pessoas que se dirigem para a Zona Sul ou outro ponto do Centro.

O ideal, para este tipo de troca de passageiros, é ter plataforma dos dois lados da linha, para que os trens possam abrir as portas de um lado para as pessoas saírem e do outro para entrarem, o que não acontece na Estação Central.

Já percebi que muitos dos passageiros que saltam na Estação Central seguem em direção ao Campo de Santana.

Teria um meio de diminuir esta confusão na Estação Central?

Quantidade de passageiros pelo trajeto

Quem usa o metrô percebe que a maioria dos passageiros salta no Centro. Uma grande quantidade salta na estação Central, outra grande parte salta na Uruguaiana, e outra grande quantidade salta na Carioca, Atualmente não frequento a Estação Cinelândia, mas acredito que também tenha uma boa saída de passageiros nela. Então, uma grande quantidade de passageiros fica no Centro, e os trens seguem mais vazios em direção à Zona Sul.

Então temos a Linha 1 que segue bem menos cheia até a estação Central, a Linha 2 que segue superlotada, ambas ficando com bem menos passageiros depois que saem da Estação Carioca, e a Estação Central muito cheia e confusa.

Proposta

Eu tenho uma proposta para resolver este problema. Ela implica em construir o trecho da Estação Estácio até a Estação Carioca (Talvez até a Praça XV.), construindo a Estação Praça da Cruz Vermelha no caminho, e talvez até mais alguma.

Com o trecho entre a Estação Estácio e a Estação Carioca em operação, seria possível operar as duas Linhas 2 simultaneamente, com trens alternados, uma com final na Estação Botafogo e a outra com final na Estação Carioca. Isto aumentaria em muito a capacidade de passageiros da Linha 2. Assim ela poderia operar com intervalos bem menores. Para funcionar bem tem que sincronizar com a alternância que existe entre a Linha 2 atual e a Linha 1 .

A Estação Praça da Cruz Vermelha passaria a atender a população que trabalha e que mora naquelas imediações, e talvez retirando uma parte dos passageiros que saltam na Estação Central. Sei que é só uma pequena parte, mas atenderia a mais pessoas, dando maior mobilidade a elas.

Todos os passageiros da Linha 2 que vão para a Tijuca, Estácio e Praça XI, e vice-versa, fariam a troca no Estácio, aliviando a Estação Central, usando os trens que seguem para a Carioca.

Os passageiros que vão para a Estação Carioca poderiam pegar qualquer um deles, mas podem vir a preferir pegar o via Estação Estácio por ter menos paradas no Centro. Alguns que vão para a Zona Sul podem fazer o mesmo, fazendo a baldeação na Carioca, e assim fazendo uma viagem mais rápida, especialmente quando se trata de estações além da de Botafogo, que teria que realmente fazer a baldeação, pois neste caminho teria menos estações em que parar.

As estações da linha 2 tem plataformas para 8 carros, e se isto for obedecido nas Estações Carioca e Praça da Cruz Vermelha, seria possível implantar trens deste tamanho, aumentando mais ainda a capacidade de passageiros.

Um problema poderia acontecer se muitos saltassem na Estação Estácio para continuar a viagem pela Linha 1. Este tipo de troca deveria ser incentivada a só acontecer na Estação Carioca.

Atualmente, nos sábados, domingos e feriados a Linha 2 opera no antigo esquema, até a Estação Estácio. Com esta nova forma, poderia operar até a Estação Carioca, aumentando a capacidade de passageiros e diminuindo o tempo de transporte para muitos passageiros, sem grandes aumentos de custo de operação.

Dificuldades para a implantação

Entre as dificuldades de implantação que posso pensar estão:
  • Aumento do consumo de energia total do sistema;
  • Necessidade de mais trens;
  • Necessidade de mais operadores para os trens;
  • Custo e tempo para a construção do trecho entre a Estação Estácio e a Estação Carioca, que segundo boatos que ouvi, está parcialmente construído.
Os custos dos novos trens e de construção não são baixos, e pode demorar de 1 a 2 anos para ficar pronto, mas talvez exista uma solução parcial que aliviaria um pouco a Linha 2 e a Estação Central.

Talvez uma solução provisória

Talvez tenha uma solução provisória. Ela seria fazer a alternância de trens com destino para a Estação Botafogo e para a Estação Estácio. Esta linha para a Estação Estácio atenderia quem vai para a Tijuca, Estácio e Praça XI vindo da Linha 2, e vice-versa. Para não ocasionar problemas de superlotação da Linha 1, se pode usar trens de menor capacidade.

Composições antigas da linha 2 aposentadas.
O Metrô Rio tem em um canto do seu pátio de oficinas os trens antigos, aposentados, que antigamente eram usados na Linha 2. Eles são de menor capacidade, o que os torna perfeitos para esta solução temporária. Se estes trens estiverem em perfeitas condições de uso, puderem operar nas mesmas velocidades dos atuais da linha 2, eles atenderiam perfeitamente a este plano. Mas se estão muito deteriorados, a ponto de darem muitos problemas, não é bom usá-los, pois causariam grandes problemas se parassem de funcionar, obstruindo a linha. Neste caso não seria possível implantar este plano.

Conclusão

Sei que é uma ideia ousada, e contraria muito do que alguns defendem. Na realidade, ela é a fusão da situação atual com o planejamento anterior para a linha 2.

Segundo as minhas contas, com composições de 8 vagões, e mantendo os intervalos atuais, seria possível aumentar a capacidade da linha 2 em 133% sem causar um colapso na linha 1. Também pode aumentar os intervalos de 2 minutos e 17 segundos, que vi anunciado uma vez, para 3 minutos, diminuindo a ociosidade na linha 1 e ainda aumentando a capacidade da linha 2 em 78%.

Algo não levado em conta

A Estação Maracanã está sendo reformada, e pelo que li, ela seria a estação principal de integração de trens urbanos e Metrô (Outras estações fazem também este papel, mas não eficientemente.), aliviando a Estação Central deste papel.

Acho que só vai funcionar bem se composições do Metrô partirem de lá, sem passar pelas estações da linha 2 entre a Estação Maracanã e a Estação Pavuna. E estas composições deveriam ir até Botafogo.

Eu não pensei bem nisto, pois não sabia até dias atrás sobre a ideia de transformar a Estação Maracanã em uma estação efetiva de baldeação. Estou amadurecendo a ideia. Talvez a linha 2 seguindo só da Estação Pavuna até a Estação Carioca, fazendo as baldeações na Estação Estácio e na Estação Carioca, com composições de 8 vagões, e a outra linha partindo da Estação Maracanã e terminando na Estação Botafogo, com 6 vagões.

Debates etc

O espaço de comentários está aberto para opiniões, debates etc. Não se acanhem.

Atualização 1 - 25/11/2013

Recebi hoje um e-mail com a seguinte resposta do Metrô Rio:

"
Prezado(a) JOÃO,
Agradecemos o seu contato e informamos quanto a situação da estação Central, trata-se, um pouco, da questão cultural dos usuários, pois ao longo do trecho compartilhado, existem várias outras opções para ser realizada a transferência entre as linhas. Quanto ao projeto original do Governo do Estado, que consiste na linha 2 de Pavuna à Carioca, e que foi citado como sugestão, o mesmo não foi realizado devido a impossibilidades com prédios públicos e privados que deveriam ser desapropriados para a criação das estações intermediárias a Estácio e Carioca. Mesmo assim, ainda tratamos o projeto como válido, embora sem possivéis datas e programações. Quanto aos antigos trens, não há possibilidade dos mesmos voltarem a operação. Atenciosamente, Elisabeth Marques Relacionamento com o Usuário MetrôRio Teleatendimento: 0800-595-1111 / 4003-2111
"

E respondi assim:

"
Cara Elisabeth.

Eu sei que existem várias estações nas quais as pessoas poderiam trocar do trem para o metrô, além da Central, mas é simplesmente impossível fazer isto sem ser na estação Central, pois só ela dá a opção e pegar as composições que vem da Tijuca, que são bem menos cheias. As composições da linha 2 já estão completamente lotadas em Triagem, que é a primeira estação de integração com os trens, no sentido Centro, se não me engano. Se você frequentasse a linha 2 durante o rush matinal saberia disto. Por isto que sugeri que composições vazias saíssem do Maracanã. Caso não façam isto, a integração de trem e metrô no Maracanã será um grande fracasso.

Mesmo sem estações intermediárias, a ligação Estácio-Carioca dobraria a capacidade de passageiros, e atrairia passageiros por demorar menos tempo para a Zona Sul e para a Carioca. E dependendo do projeto, poderia ser feita uma construção que não impedisse a construção de futuras estações intermediárias, se forem feitas as desapropriações etc.

Esta ligação também aliviaria a Estação Central, pois muita gente talvez fizesse a troca entre linha 1 e linha 2 na Carioca, especialmente por que ela pouparia alguns minutos por não ter estações intermediárias.

Eu garanto que existe demanda reprimida na hora do rush na linha 2. A Av. Brasil, por exemplo, não é confiável, e é por isto que prefiro pegar metrô a pegar um ônibus, que em situações boas de trânsito, demoraria menos. Acredito que mais gente esteja na mesma situação.

Você não informou os motivos da impossibilidade de uso dos trens antigos. Mas como ex-estudante de engenharia, eu posso imaginar vários motivos técnicos. Muita gente questiona o abandono deles, portanto seria bom fazerem, e colocarem no site, uma nota de esclarecimento sobre estes motivos.

Atenciosamente,
    João."

Só resta aguardar um novo contato.

3 comentários:

  1. Enviei a minha proposta pelo Fale Conosco do site do Metrô Rio.

    "
    Escrevi uma carta aberta com um pouco de crítica, e uma sugestão. Algo a ser pensado nas discussões sobre a Linha 2 do Metrô:

    http://um-cidadao-semiconsciente.blogspot.com.br/2013/11/carta-aberta-ao-metro-rio.html

    Podem me enviar a resposta por e-mail, e estou disponível para maiores esclarecimentos da minha ideia.
    "

    Agora é esperar pela resposta.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns João. Agora moro em Petrópolis, mas há alguns anos, quando eu morava no Rio, pensava como o sistema do Metrô poderia ser aprimorado. É claro que a grande questão é de fato abrir novas linhas entrecruzadas. Mas dá para otimizar o que se tem. Penso que em certos horários, poderia se fazer trajetos mais longos direto. Assim: digamos que se tenha estações A, B, C, D e E. O trem poderia correr direto da B para a E pela manhã e no horário da tarde, correr direto de E para B. Quem estiver nas estações intermediárias, seria prejudicado, mas o ganho em tempo e energia seria enorme. Quem estiver em C e D ainda poderia fazer uso do serviço, mas teria que pegar o trem na direção contrária até uma estação de parada.
    Abraço, Marcelo Monteiro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma ideia interessante. Muita gente já faz isto, pega na direção contrária, até a Pavuna, para poder sentar na ida.

      Os trens tem o expresso e o parador. O expresso só para em algumas estações. Se o metrô tivesse sido construído com 4 linhas isto seria possível. Talvez com 3 linhas as composições pudessem fazer o sentido contrário do rush na terceira linha sem parar, diminuindo o tempo de volta e aumentando a quantidade de composições atendendo o rush.

      Excluir