Quem sou eu

Minha foto

Sou viciado em computação, Internet e Fotografia. Morei por quase 6 anos, e ainda frequento, Paraty. Sou usuário de softwares Open Source, tendo dado algumas contribuições em diversas ocasiões.

quinta-feira, 9 de junho de 2016

Uma "vantagem" da terceirização

Existe uma grande moda de terceirização. Tem casos que terceirizam funcionários. Eu já trabalhei e uma empresa que exigia que eu fosse PJ, Pessoa Jurídica, ou seja, eu não era uma pessoa, e sim, uma empresa. Já trabalhei em uma empresa que contratou uma empresa para me contratar, e esta exigiu que eu fosse PJ.

Sim, isto é um absurdo. Eu me sentia "quinterizado".

Mas tem casos de terceirização que me parecem mais absurdos ainda. Conheço uma empresa de energia elétrica (Boa parte dos meus amigos do Facebook vão saber automaticamente qual é.) que o serviço de atendimento de emergência é feito por uma outra empresa em nome dela. A fiscalização é de outra empresa que faz em nome dela, a instalação é outra empresa que faz em nome dela. Chega a um ponto que não sei se ela realmente faz diretamente algum serviço.

Mãos atadas

Uma vez uma cidade de interior teve um problema de telefonia sério. Um caminhão levou a fibra ótica que atendia a cidade para "passear". Só uma empresa de celular funcionava na cidade.

De noite deu um vendaval, e vários lugares ficaram sem luz. Os celulares da empresa que atendia as emergências de luz eram desta empresa de celulares que funcionava, isto é bom, mas a população afetada teria que ter um celular da mesma empresa de telefonia para poder fazer o chamado.

Mas a coisa ainda piorou, pois até os celulares desta empresa de telefonia pararam de funcionar direito. Quase ninguém conseguia ligar ou receber ligação.

Falei com um funcionário da empresa que atendia os chamados de emergência da companhia de energia, e ele disse que sabia onde estavam os problemas, mas não podia fazer nada, pois não estava conseguindo receber as ordens de serviço.

Esta terceirizada recebe por cada serviço de emergência atendido.

Eu falei que no lugar dele eu começaria a atender e anotar o que eu fiz, e que se danem as ordens. A cidade estava sem comunicação, e uma boa parte sem energia elétrica. Já era quase questão humanitária. Estava um caos. E acho que ainda pegaria muito mal para a empresa, que já não era bem vista pela população local (naquela época mais ainda), punir um funcionário que estava atendendo a população.

Pagou(?) hora extra evitável

Em outro episódio de vendaval, o qual deixou vários bairros sem luz, os funcionários não conseguiram fazer a troca de turno.

Chegou a hora da troca de turno, e a equipe que deveria sair estava presa em uma emergência, ou um conjunto delas, em um bairro distante. A equipe que deveria assumir não tinha como ir lá e assumir o turno ou ajudar. Ela teve que esperar que a equipe que estava trabalhando voltasse à sede.

Nota: Tinham vários carros estacionados na sede, mas eram das outras empresas que prestavam serviço para esta empresa de energia, então os funcionários não poderiam pegar um destes carros e ir ao encontro dos que estavam atendendo as emergências. Não poderiam ir lá ajudar, e nem trocar o turno.

Então uma equipe ficou parada na sede por mais de 3 horas enquanto uma outra equipe trabalhava este tempo a mais.

Contra pró-atividade

Eu encontrei um problema em uma linha de alta tensão. Um cabo semi-isolado se soltou do separador, como mostrado na foto abaixo.


Informei a um funcionário do atendimento de emergência, e ele informou que não podia fazer nada. Que só pode fazer por ordem, e se fizer, corre o risco de cobrarem o serviço a ele.

Ele disse para eu ligar para o 0800.

Isto faz sentido por um lado, pois se a empresa que atende as emergências, em um sistema de cobrança por serviços, informa e resolve estes problemas por conta própria, quem garante que estes problemas realmente existiam? Eles poderiam estar inventando serviços inexistentes para cobrar a mais. Mas isto só faz sentido neste formato de funcionamento. Se quem atende o serviço for funcionário da empresa de energia, ele pode anotar o problema, e corrigir o problema. Ele pode ser pró-ativo.

Este problema que mostro na foto ainda não teve consequências. É um problema armado para acontecer. Se eu entendi bem, estes cabos não são completamente isolados, por isto que precisa deste espaçador, para mantê-los separados. Este cabo solto do espaçador pode, em situação de ventania ou de linha de pipa, encostar nos outros, trazendo consequências.

Ou seja, este problema possivelmente só será consertado quando o acidente acontecer.

Terminando

Não sou contra a terceirização, mas acho que ela tem que ser pontual, e não pode gerar camadas e bloqueios, não pode engessar a empresa, tal como esta empresa de energia elétrica está engessada. No caso dela, ela não está fazendo os serviços dela, e sim, outros estão fazendo em nome dela.

Outra coisa me passa pela cabeça. O que a empresa ganha contratando empresa para contratar alguém? Não pensam que, ao colocar intermediários, pode encarecer esta mão de obra. Basta pensar nas despesas e no lucro da empresa intermediária. Eu soube de um caso no qual uma empresa dispensou o intermediário e contratou diretamente, e descobriu que saía mais barato.

Um comentário:

  1. Terceirização costuma inibir proatividade.
    Se for a terceirização em atividade fim ou em atividades que a atividade fim é altamente dependente, então é questão de tempo para que algum problema sério ou acidente (evitável) ocorra.

    ResponderExcluir